MI - SSRC

Mudar para desktop Cadastro Login

VirgemGuda

A VIRGEM DE GUADALUPE

HISTÓRIA DAS APARIÇÕES DA VIRGEM DE GUADALUPE

MEXICOEm 1521 os espanhóis conquistaram o México. Pouco mais de dez anos após, em 09 de dezembro de 1531, o índio recém-batizado, Juan Diego, saiu de casa para assistir à missa na cidade. Ao passar junto à colina de Tepeyac ouviu uma suave melodia vinda do alto do morro. Olhando para o local viu uma linda Senhora sobre resplandescente e branca nuvem, ao redor da qual brilhavam as cores vivíssimas de um arco-íris.

Surpreendido, o índio ouviu a bela Senhora chamá-lo pelo nome e dizer-lhe em língua mexicana que Ela era a Virgem Mãe do Verdadeiro Deus. A Senhora solicitou que Juan Diego transmitisse ao bispo Juan de Zumárraga o seu desejo de que fosse construído um templo naquele lugar.

Sem discutir, o índio dirigiu-se ao palácio episcopal e repetiu ao prelado a mensagem da Virgem. Ouvido com visível descrédito pelo bispo, Juan Diego ficou contrariado.

De volta, o índio desanimado pediu à Senhora, com humildade, que escolhesse outro mensageiro, mais importante. A Senhora respondeu-lhe que não faltariam pessoas de projeção social que tivessem prazer de servi-la, mas que ele fora o escolhido.

Como o bispo houvesse exigido uma prova concreta, a Mãe de Deus recomendou a Diego que voltasse no dia seguinte, quando receberia o sinal desejado.

Juan Diego, voltando para casa, encontrou seu tio e pai de criação gravemente enfermo, razão pela qual, na manhã seguinte, saiu à procura de um padre para administrar-lhe os últimos sacramentos. Seguia apressado por um atalho, quando ouviu uma voz que lhe perguntou: "Aonde vais?"

O índio, envergonhado, desculpou-se, mas a Mãe lhe disse que não se preocupasse com a doença do tio, pois ele estava curado.

Vendo que o índio se tranquilizara, a Senhora ordenou-lhe que subisse ao alto da colina e colhesse todas as rosas que pudesse, recolhendo-as em sua capa, e as levasse ao bispo.

Juan Diego desdobrou seu manto perante o bispo, que viu a imagem da Virgem Maria pintada na capa, de onde caiam rosas.

Admirado com o prodígio das rosas frescas, em pleno inverno, e emocionado ao contemplar a maravilhosa imagem, o bispo caiu de joelhos e beijou a orla daquele tosco pano de pita trançada.

Em seguida, retirando a capa do índio, levou-a ao seu oratório e pediu a Diego para lhe mostrar o local da aparição.

Ao voltar para casa, Juan Diego, encontrou seu tio completamente curado. Este lhe disse ter sido visitado por uma Senhora de beleza jamais vista que lhe falara com carinho e o curara.

 

A IMAGEM

A duração - O tecido de cacto é perecível. Sua duração, exposto ao tempo, é estimada ao redor de 20 anos. Foram feias várias experiências sobre a durabilidade do tecido, chegando-se à conclusão de que não poderia, por natureza, durar 450 anos, pois só recentemente passou a ser protegido. As emanações de salitre do lago salgado vizinho, que corroem até prata, ouro e bronze, não causaram até hoje, o mínimo dano à pintura. Por descuido, nela foi entronado ácido nítrico que não lhe causou nenhuma corrosão. Está intacta, apesar de desprotegida completamente de 1531 a 1647, e também depois deste período várias vezes, e apesar de nela terem tocado milhões de objetos duros e "estampados" milhões de beijos e toques de mãos. Não obstante tentarem opor-lhe "melhoramentos", estes desapareceram, como, por exemplo, os anjos pintados nas nuvens. O ouro aplicado posteriormente sobre os raios de sol, está caindo. Uma poderosa bomba explodiu no altar onde é venerado: tudo nele foi destruído ou atingido, menos a tela.

O tecido - O tecido da tela é de vegetal grosseiro, tão frouxo e irregular como estopa. Tão ralo que, através dele, se pode ver o povo e a nave, como através de um filó.

As tintas - O professor alemão Richard Khun, Prêmio Nobel de Química, analisou uma amostra da pintura e chegou à conclusão que as tintas da imagem de Guadalupe "não pertencem ao reino vegetal, animal ou mineral". Manuel Garibi, um perseverante examinador da pintura, resume assim a estranheza do dourado que aparece no perfil do vestido, nas 46 estrelas, nos arabescos e nos 129 raios do sol: "O dourado é transparente e sob este se vêem os fios do poncho... este dourado, de transparência, não pode ser obra hu-mana".

Análise com raios infravermelhos - O Dr. Callagan, da equipe da NASA, e o professor Jody B. Smith depois de uma série de estudos com os raios infravermelhos deram, em 1979, estas conclusões:

- O tecido carece de qualquer preparação, sendo inexplicável, à luz dos conhecimentos humanos, que os corantes impregnem e conservem uma fibra tão frágil ;

- Não houve esboços prévios ;

- Não foi usado pincel. A técnica empregada é desconhecida na história da pin-tura.

O quadro se parece mais com um processo fotográfico do que com uma pintura. Mas fotografia não era, porque, em 1531, não havia nem câmeras, nem fotografias.

 

AS PUPILAS DA VIRGEM

pupilas

O célebre oculista Torrija Lavoignet, em 1955, examinou a pupila da imagem de Guadalupe e descobriu que na íris está refletido um busto de homem.

JUAN-DIEGOpupilasEm 1957, o oftalmologista A. Jaime Palácios afirmava: "No olho direito da Virgem de Guadalupe, existe a figura de um rosto de homem. Trata-se de Juan González, o tradutor entre o índio Juan e o bispo; ao lado, acham-se mais duas figuras menores, na mesma posição. Um pouco atrás da primeira figura, está a cabeça do índio Juan Diego. Sua fronte é ampla e existe a possibilidade de que a tivesse raspado, conforme costumavam alguns índios da cultura mexicana pré-hispânica. Verifica-se uma mulher, com rosto de traços negróides. Refere-se a uma escrava negra, de nome Maria, que havia servido o bispo no México. Tem-se a sensação de estar vendo um olho in vivo. Realmente não se pode pensar em nada senão em algo sobre-humano".

Em 1980, o cientista Dr. Aste Tonsmann empregou o processo de digitalização para analisar a iris do olho do quadro de Guadalupe. O processo consiste em dividir uma imagem fotografada em quadrículos microscópicos, até o ponto em que, numa superfície de um milímetro quadrado, caibam 27.708 ínfimos quadrinhos. Em seguida, amplia-se cada miniquadrinho multiplicando-o por dois mil. Este processo é empregado nas fotos tiradas do espaço por satélites artificiais, permitindo descobrir os menores detalhes.

detalhesirisE os detalhes observados na íris da Virgem de Guadalupe são os seguintes: um índio desdobrando a sua tilma diante de um franciscano; o próprio franciscano (o bispo Zumárraga), em cujo rosto se vê deslizar uma lágrima; um camponês jovem, coçando a barba com a mão espantado; um índio com o dorso nu, em atitude de oração; uma mulher de cabelos crespos, provavelmente uma criada negra; um homem branco; uma mulher branca; alguns meninos (índios) com a cabeça meio raspada; alguns religiosos franciscanos. O cientista também fez fotografar os olhos de sua filha, utilizando o processo de digitalizar imagens e pôde averiguar tudo o que ela via, no momento de ser fotografada.

 

ZUMARRAGAÉ sabido que a córnea do olho humano reflete o que está sendo visto no momento. ( Este fenômeno leva o nome de seus desco bridores: Sanson e Purkinje). Ora, a íris da Virgem de Guadalupe reflete exatamente a cena descrita pela tradição como ocorrida no pátio da casa do Bispo Zumárraga: um índio no ato de desdobrar sua túnica cheia de rosas na frente de um franciscano; o pró-prio franciscano e as várias outras pessoas, índios e europeus, adultos e crianças, entre eles uma negra. Todos aqueles que testemunharam a cena estão na íris da Virgem. Seria impossível a um miniaturista pintá-la em espaço tão pequeno como a córnea de um olho. Foi necessário dividi-la em 27.778 vezes e cada quadrinho teve de ser ampliado 2000 vezes para que ele pudesse ser detalhada. A preservação da tela original de Nossa Senhora de Guadalupe, o tecido, as tintas, as imagens nos olhos, são, pelo menos, "inexplicáveis".

Design by Kendra Chihaya © 2014 - MI Santa Rita | All rights reserved

Acima Desktop version